Nota do AND: Reproduzimos comunicado emitido pela Liga dos Camponeses Pobres (LCP) de Rondônia e Amazônia Ocidental denunciando as mentiras, maquinações, perseguições e assassinatos levados a cabo pelo latifúndio com seus bandos paramilitares e velho Estado pela polícia contra camponeses, tudo para acobertar o maior roubo de terras do século no Brasil. Retirado do Jornal Resistência Camponesa.

 


 

Camponeses da LCP, lideranças combativas, e apoiadores da luta pela terra estão sofrendo sistemáticos ataques do latifúndio, dos seus bandos armados e da polícia. Em Rondônia os latifundiários estão agindo como verdadeiras quadrilhas, organizando bandos paramilitares e contratando pistoleiros a luz do dia. Nesse último período dezenas de camponeses foram assassinados (dentre eles vários coordenadores da LCP), vários outros foram presos e torturados. Esses crimes cometidos impunemente por pistoleiros são encorajados e acobertados principalmente pela polícia militar do comandante Ênedy e do gerente Confúcio Moura (PMDB).

Redação de AND, com informações de apoiadores locais

Os aumentos criminosos da tarifa de ônibus acima da inflação, em 10,5% em Barueri e Osasco, e em 18,4% em Guarulhos (região metropolitana da capital São Paulo) prometem incendiar as ruas da região metropolitana de São Paulo com combativos protestos. O valor da passagem em Barueri e Osasco pulou de R$ 3,80 para R$ 4,20, enquanto em Guarulhos foi para R$ 4,50. Tais aumentos são crimes econômicos contra o orçamento das famílias trabalhadoras, tudo para engordar ainda mais a máfia do transporte coletivo. 

A ação fascista repressiva do aparato burocrático-militar do velho Estado tem um fiel e histórico aliado: O oportunismo travestido de esquerda. Em particular no Brasil, esta corrente imunda amontoa-se debaixo da sigla “PT” e nas sindicais pelegas mafiosas, como a CUT.
Ao verem-se enxotados como cachorros dos palácios de burgueses e latifundiários a nível nacional, agora fazem cena de “movimento social” para enganar aos mais desavisados. Mas sua prática, em particular, nos protestos contra os direitos pisoteados das massas é igual ou pior que a ação repressiva da Polícia Militar.

Do Blog da Redação do Jornal A Nova Democracia