Reproduzimos grave denúncia do jornal A Nova Democracia

A ‘Lava Jato’ contra as liberdades de expressão e de manifestação
Igor Mendes 13 Dezembro 2018

Segundo notícia veiculada pelo portal G1, e replicada por outros meios, a Polícia Federal (PF) cumpriu, na manhã desta quinta-feira, 13 de dezembro, mandado de busca e apreensão na residência de um jovem suspeito de “incitar a morte” de Jair Bolsonaro. Com base em postagens nas redes sociais, feitas ao fim do segundo turno, o Ministério Público Federal (MPF) e a Justiça Federal do Rio pretendem enquadrar o autor na Lei de Segurança Nacional, pelo “crime” de pregar a “subversão da ordem política”. Confirmando-se tais fatos, trata-se de evento gravíssimo, que evidencia o modus operandi que será usado contra o ativismo político nos próximos meses e anos. Por ironia ou não, isto ocorre no dia em que se completam 50 anos da promulgação do AI-5.

Fotografia tirada para um trabalho de história no Liceo 1 que foi utilizada pelo monopólio de imprensa para criminalizar os estudantes.

 

Reprouzimos a seguir artigo publicado no nº23 do jornal estudantil La Rebelión Se Justifica

O projeto de lei “Sala de Aula Democrática” - ex Sala de Aula Segura ou expressa lei de expulsão – Foi aprovado pelo parlamento para ser implementado. Se bem, a propósito da pressão popular e o não acordo entre as frações da grande burguesia fez com que o projeto se modificasse em certos aspectos, o certo é que está nova lei venha a golpear o movimento estudantil, especificamente o direito de protestar.

Com informações Site Alvorada do Povo

A Alvorada do Povo (AP), organização de juventude democrática e revolucionária, denuncia a perseguição política cometida contra o movimento estudantil na Universidade Federal do Paraná (UFPR), na Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), a perseguição política aos 23 processados do Rio de Janeiro e a perseguição contra todos aqueles que lutam.

 

A pseudo-refundação da “UV”/Nova Pátria e seu nacional-reformismo eleitoreiro

No 1o turno da farsa eleitoral de 2018, a organização criada pela fração revisionista oportunista de direita e liquidacionista, ecabeçada por Dantas, em nota em redes sociais e blogs, usaram o nome da Unidade Vermelha, para mendigarem votos para Ciro Gomes, deixando mais uma vez bem clara sua obstinação eleitoreira.

    Para nós, não é novidade alguma que os eleitoreiros saem da tumba de dois em dois anos pra convencerem as massas desacreditadas na farsa eleitoral a votarem. Isso por si só não merece o esforço da crítica. E também é verdade que essa nota pífia não encontrou nenhum eco nas massas, a não ser um burburinho em redes sociais do imperialismo.

    Contudo, nos interessa essa crítica nesse momento, pois é uma boa oportunidade para, a partir dela, criticarmos as decorrências oportunistas daqueles que participaram dos levantamentos da juventude combatente nas jornadas revolucionárias de 2013, mas depois capitularam já em 2014 diante a polarização Dilma x Aécio (PT x PSDB). Ou seja, é importante porque trata do balanço de 2013 e de suas decorrências; isto é, das decorrências proletárias x pequeno-burguesas, das decorrências revolucionárias x reformistas, marxistas x revisionistas.