A seguir, pubilcamos brilhante trecho do livro "A Viagem", de Graciliano Ramos em que retrata sua passagem na pátria socialista, a URSS, em 1952. Nesta passagem, Graciliano observa a uniformidade do povo soviético, qu se trata da uniformidade prórpria à classe operária.

A seguir reproduzimos o pronunciamento do MEP - Movimento Estudantil Popular (Peru) sobre a situação nacional e internacional.

 

A seguir, publicamos importantíssimo documento do Partido Comunista da China, de 1963, entitulado ‘Sobre o Problema Stalin’. Este documento ficou conhecido como o ‘Segundo Comentário’, de uma série de nove comentários feitos pelo PCCh na batalha ideológica travada pelo contra o revisionismo que tomara de assalto a direção do Partido Comunista da União Soviética (PCUS), após a morte de Stálin. Um dos eixos do golpe revisionista na direção do PCUS, que permitiu a restauração do capitalismo na União Soviética (URSS) foi justamente eleger o camarada Stalin para ser demonizado. Até hoje, somam-se aos vômitos negros de Kruchov, que assumiu depois de Stalin a direção do Partido e do Estado, toda a récua de revisionistas, trotskistas e apologistas do capitalismo, a repetirem e repercutirem as mentiras propaladas no seu chamado ‘Relatório Secreto’. De tal sorte, que a maioria das mentiras hoje comumente vistas em todo tipo de publicação da burguesia sobre o camarada Stalin, simplesmente repetem as acusações sem provas imputadas por Kruchov e tem em seu infame 'Relatório Secreto' sua fonte primária.

Este documento é uma defesa intransigente do camarada Stalin, do seu papel enquanto dirigente do PCUS e da então pátria socialista, a União das Repúblicas Socialistas Soviéticas, como o primeiro Estado operário socialista da História.

Este material foi compilado pela primeira vez de forma integral (a Carta de 25 Pontos e os 9 comentários, ademais de outros anexos) no Brasil pelo Núcleo de Estudos do marxismo-leninismo-maoísmo em 2003, editado e publicado pela Editora Terra no livro de titulo "A Carta Chinesa", que pode ser encontrado a venda na Loja do Jornal A Nova Democracia aqui.

Nós da Unidade Vermelha – LJR defendemos o legado, a história e o papel do camarada Stalin, como o homem de ferro do proletariado e guia dos povos na luta contra o nazifascismo e na construção do socialismo, rumo ao futuro luminoso do comunismo.

  

SOBRE O PROBLEMA STÁLIN

 

COMENTÁRIO SOBRE A CARTA ABERTA

DO CC DO PCUS (II)

 

Pela Redação do Renmin Ribao e

a Redação da revista Hongqi

 

(13 de setembro de 1963)


Nos dirigimos por meio desta para fazer autocrítica pela publicação sem ressalvas do material de apresentação (chamado de 'release') do grupo de R.A.P. combativo Ameaça Vermelha.

Nossa avaliação sobre o grupo não mudou e é de que este cumpre um papel principalmente positivo, utilizando uma das ferramentas de expressão artística, que é a música, a serviço do povo, da luta de classes do proletariado e da revolução democrática em nosso país e da revolução mundial.

No entanto, sempre que republicamos algum material em nosso sítio na internet, quando este não se trata de uma posição oficial da organização, cumprindo o centralismo democrático, devemos ou destacar, quando for o caso, aquilo que não concordamos ou simplesmente frisarmos que se trata de uma publicação de terceiros que solicitaram o espaço em nosso sítio e que não necessariamente expressa a posição da Organização.

No caso da publicação do material do AV, houve diversos erros de nossa parte. Um deles é de que não há concordância da nossa Organização em diversos pontos que especificaremos oportunamente (não necessariamente publicamente). Também há divergências quanto a publicação em si, tanto no método, como também o erro de editar o conteúdo para 'amenizar' a divergência, como foi feito no nosso texto introdutório e no título.

Continuamos e continuaremos apoiando a arte e o trabalho do AV enquanto nossa avaliação for essa e reconhecemos enorme valor dos companheiros em seu trabalho, destacando que e essa contradição é nada mais do que uma contradição não-antagônica que podemos resolver com conversas e opiniões, de forma ue a autocŕitica serve mais à nossa Organização por aprimorar o cumprimento do centralismo democrático.



Comando Nacional - Unidade Vermelha LJR

Setembro de 2019